segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Curiosidades da Matemática

Aritmética no trabalho
Patrão esperto + empregado esperto = lucro
Patrão esperto + empregado estúpido = produção
Patrão estúpido + empregado esperto = promoção
Patrão estúpido + empregado estúpido = horas extra
A matemática das compras
Um homem paga 2 contos por algo que necessita e que custa 1.
Uma mulher paga 1 conto por algo que não necessita e que custa 2.

Equações e Estatísticas Gerais

Uma mulher preocupa-se com o futuro até que arranja marido.
Um homem nunca se preocupa com o futuro até que arranja mulher.

Um homem de sucesso é aquele que consegue ganhar mais dinheiro do que a sua mulher gasta.
A mulher de sucesso é aquela que consegue encontrar um marido assim.
O traço do sete

De todos os números de nosso sistema, o sete é considerado um número sagrado pela maioria dos povos antigos.
Porém, não há nada de sagrado, nem segredos ou mistérios em torno da grafia do número 7. Para melhor entender as várias grafias do número 7, deve-se lembrar que nosso sistema é originário do sistema indo-arábico. Já viu antes um texto escrito em árabe ? A forma manuscrita, esquisita para os povos ocidentais, traz indícios de uma escrita rápida, como a escrita das taquigrafas atuais. Nos livros produzidos pelos sábios árabes de onde os ocidentais da Idade Média copiaram os algarismos que usamos até hoje, os algarismos eram manuscritos, e as "letras" dos escribas, hindus ou árabes, eram muito diferentes entre si, tal como são nossas assinaturas.
No quadro abaixo (extraído do livro Matemática Atual) pode-se perceber a evolução da forma dos algarismos hindu-arábicos. A forma dos algarismos só se estabilizou com a invenção da imprensa por Gutemberg no fim do séc. XV.
O traço do sete é um recurso utilizado nas escolas para que os alunos das séries iniciais, diferenciem sua forma, da escrita do número 1. O mesmo recurso é utilizado tem sido utilizado em atividades relacionadas à informática, para orientar os digitadores na diferenciação do "zero" em relação à letra "O". O zero é colocando-se um traço interno na diagonal.
Moral da história: Não há obrigatoriedade em escrever o sete com traço, nem sem traço.

Um comentário:

brunamaribel2097 disse...

que legal uma coisa bem feita e que me ajudou a fazer meu trabalho de aula muito obrigada por me ajudarem. beijooossss.